Transtornos psicossomáticos: a influência das emoções em nosso corpo

setembro 27, 2019

Nunca lhe aconteceu, quando estava muito ansioso, ter mais dores de estômago ou dores de cabeça? Mais dores no corpo? E quando você ficou com raiva, o que aconteceu? Podemos perceber rapidamente que as emoções afetam o físico, não é?

Dessa forma, é mais fácil entender o que são desordens psicossomáticas: essas doenças físicas que têm sua origem em fatores psicológicos. Ou que se estendem por causa disso.

Descubra agora a importância de gerenciar nossas emoções negativas para preservar nossa saúde física.

As emoções se manifestam através de um sistema triplo de respostas: cognitivas, fisiológicas e motoras. O sistema cognitivo refere-se aos pensamentos que temos quando sentimos emoções diferentes. Por exemplo, quando a raiva aumenta em nós, nossos pensamentos são como “Estou fazendo isso para me provocar”, “Não acredito que estou fazendo isso comigo mesma” etc.

No entanto, esse discurso interior é completamente diferente quando estamos tristes. O sistema motor, entretanto, é o conjunto de comportamentos que adotamos de acordo com as emoções que sentimos. Assim, quando o medo aparece, tentamos nos proteger ou fugir, um comportamento que seria totalmente inapropriado se sentíssemos alegria.

Enfim, o sistema fisiológico diz respeito às sensações corporais que aparecem. Nesse sentido, existem emoções que nos estimulam mais ou menos, da mesma maneira que há algumas que não produzem muitos efeitos. A ansiedade, para que você entenda a que estamos nos referindo, é uma emoção que nos estimula muito fisiologicamente: quando aparece, nossa frequência cardíaca aumenta e nossa respiração acelera.

Como a ansiedade e a raiva afetam os distúrbios psicossomáticos?

Os distúrbios psicossomáticos são muito numerosos. Eles podem ser cardiovascular (pressão alta), respiratório (asma brônquica), endócrino (diabetes), gastrointestinal (úlcera péptica), dermatológico (urticária) ou imunológico (dor crônica ou artrite reumatóide). Estes são apenas alguns exemplos: existem muitos mais. A manifestação fisiológica das emoções os afetará. Em particular ansiedade e raiva.

“Diante das doenças causadas pela miséria, diante da tristeza, da angústia e da miséria social das pessoas, os micróbios, como causas da doença, representam quase nada. ” -Ramón Carrillo

Essas duas emoções emergem, quando as sentimos, em uma grande estimulação fisiológica. Aparecem tensão muscular, hiperventilação ou aceleração do ritmo cardíaco, entre outros sintomas fisiológicos. A princípio, nosso corpo é energizado dessa maneira para enfrentar o perigo que causou essas emoções. Portanto, não é realmente uma má estimulação.

O problema surge quando sentimos muito intensamente, com muita frequência ou muito tempo essas emoções. Nosso corpo então retém essa tensão que vai além de nossas possibilidades, porque esse estímulo deve desaparecer quando superarmos o que causou esse medo ou essa ansiedade. Mas como não conseguimos, nossos órgãos estão sobrecarregando gradualmente e mudanças morfológicas e funcionais aparecem.

Qual é o papel dos sintomas somáticos nesse processo?

Tudo o que explicamos até agora leva a uma conclusão: como percebemos e interpretamos diferentes situações nos ajudará a gerenciar melhor nossas emoções negativas . O mesmo acontece se conseguirmos encontrar soluções adaptadas ao que acontece conosco.

Ao fazer isso, conseguiremos evitar uma forte estimulação e teremos menos probabilidade de desenvolver distúrbios psicossomáticos. Também funciona quando estamos lidando com uma doença puramente somática. O paciente pode: estar convencido de que não é sério, saber que é sério, mas quer lutar porque está convencido de que há esperança ou sabe que é sério, mas decide viver da melhor maneira possível e não se limitar mais do que o necessário.

Se você escolher uma dessas três maneiras, poderá evitar a ansiedade e a raiva que normalmente ocorrem quando há um problema físico. Dessa forma, a probabilidade de você sofrer de distúrbios psicossomáticos também será reduzida. Às vezes, é difícil alcançar esse resultado, mas com a ajuda inestimável de um psicólogo adequado, você poderá se sair bem. Fonte: Pensar Contemporâneo
__________




Para ver mais vídeos do Canal da Lucieni, se inscrevam:
Post: Lucieni Soares
Próxima Postagem
« PRÓXIMA
Postagem Anterior
ANTERIOR »

Deixe seu Comentário: