Em Rio Verde aposentado deixa de pagar plano de saúde para fazer faculdade

fevereiro 06, 2013 0

Colegas admiram a força de vontade do aposentado (Foto: TV Anhanguera)
O aposentado João Gonzaga Dias, de 69 anos, está se tornando exemplo de força de vontade para a família e para os alunos de uma universidade particular de Rio Verde, no sudoeste de Goiás. Mesmo com problemas de saúde, como diabetes, pressão alta e até um marcapasso no coração, ele não se entregou às dificuldades e deixou de pagar o plano de saúde para realizar o seu grande sonho: cursar uma faculdade de direito.

“Eu resolvi entrar na faculdade depois dos 60 anos de idade, depois que eu concluí a minha responsabilidade junto à minha família porque eu consegui formar meus filhos. Então, eu senti a necessidade de estudar para que eu pudesse ter conhecimento”, comenta o aposentado, que é pai biológico de três filhos e criou outros três. Destes, quatro já têm curso superior.

Aposentado há quatro anos, João Gonzaga, que era comerciante, passa o dia em casa auxiliando a mulher nos afazeres domésticos e na confeitaria que o casal possui. Entre uma atividade e outra, ele acaba consultando e revisando os livros da faculdade.

“Eu imaginei que fosse um sonho dele no momento, mas não imaginei que ele fosse realmente fazer uma faculdade”, relata a esposa, Izamar Braz Dias.

Para pagar o curso, que é em uma faculdade particular com taxa mensal de R$ 842, além de deixar de pagar o plano de saúde, o aposentado também vendeu o carro. Mesmo assim, não falta um dia sequer às aulas. Como está sem carro, a filha ou colegas de sala dão uma carona ao aposentado. “Às vezes, ele está passando mal, mas vai para a faculdade. A faculdade para ele é uma terapia”, diz Izamar.

Bastante orgulhoso, João se lembra das dificuldades que passou durante os cinco anos de faculdade. Além de renunciar a alguns benefícios, o aposentado conta que teve de parar o curso por duas vezes para poder pagar a faculdade do filho: "Ou eu pagava o plano ou pagava a faculdade, ou eu pagava a faculdade do meu filho ou a minha porque as duas eu não conseguia. Tinha de priorizar. Então, preferi formá-lo primeiro. Depois, tive que fazer novo vestibular, mas não desanimei".

Na sala, ele é o mais velho da turma, mas é muito querido e admirado pelos colegas e professores. “Acho que ele é um exemplo para todos nós e para muitas pessoas que acham que pela idade não podem realizar um sonho antigo”, afirma a estudante Cintia Jesus de Almeida. “Ele é estudioso, assíduo e dedicado não só dentro da sala, mas nas atividades extraclasse também”, comenta o professor Whaslen Fagundes.

Mas tem um amigo que é especial para João. O estudante Fabrício Lamas foi quem teve a ideia de contar a vida do amigo para a imprensa. “Esse exemplo deveria ser divulgado mais adiante. Tantas pessoas novas que podem estar estudando, mas dizem que não vão porque não vai dar certo e está velho, e o João não tem nada de velho. Ele é mais novo que todo mundo aqui junto e está dando exemplo para todo mundo”, diz Fabrício.

O aposentado agradece o apoio dos colegas de sala: “Eles têm me ajudado muito na faculdade e em todos os setores. Para mim, é um orgulho tê-los como amigos”.

Após 40 anos sem frequentar uma instituição escolar, João Gonzaga admite a dificuldade, mas garante que está feliz com o sonho realizado: “Na minha idade não é fácil. É preciso ter muita persistência para concluir o curso”. O entusiasmo do aluno contagia toda a equipe escolar. A coordenadora do curso, Helena Maria Campos, conta que a força de vontade sempre esteve presente no aposentado desde o início do curso.

“Ele sempre foi assim, muito atencioso, comprometido, assíduo. Então, realmente, ele é um exemplo de aluno para os colegas”, relata Helena Maria.

“Para nós, que já estamos na terceira idade, chegar em uma faculdade como o João não é fácil. É como se fosse um exemplo para todos nós, principalmente para os colegas mais jovens e também para as pessoas que estão nessa idade e pensam que o mundo acabou, a vida acabou. Então, é o momento de recomeçar, a vida é sempre um começo”, diz a diretora acadêmica da instituição, Stefane Barbosa.

A formatura do aposentado João Gonzaga Dias está marcada para o dia 2 de março deste ano. Para ele, o sonho não acabou. Agora, o aposentado quer atuar na profissão. Já até iniciou a construção de um escritório em casa e está estudando para a prova da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Fausto Costa

Fonte: g1
›› CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A POSTAGEM COMPLETA ››

Santa Helena tem 2 aeroportos mas nenhum funciona

janeiro 28, 2013 0

Com pouco mais de 36 mil habitantes, a cidade de Santa Helena de Goiás, no sudoeste do estado, tem dois aeroportos, mas nenhum deles está funcionado. O terminal mais novo foi inaugurado há mais de dois anos, mas até agora nenhuma aeronave pousou no local. A obra custou R$ 6,5 milhões aos cofres do governo estadual. Mesmo sem ser utilizado, o prédio já começa a mostrar problemas na estrutura. Bem mais antigo, o Aeroporto Municipal José de Assis, existe há 30 anos, mas está interditado.

A Agência Nacional de Aviação Civil informou que não há confirmação de que as obras do novo aeroporto de Santa Helena de Goiás foram finalizadas. Segundo a assessoria da Agência Goiana de Transporte e Obras (Agetop), o aeroporto está fechado porque o processo de desapropriação da área ainda não foi concluído. A agência afirmou ainda que está em fase de negociação com os donos do terreno.

O Aeroporto de Santa Helena de Goiás ainda não foi usado, mas já apresenta problemas.  Parte do forro do telhado despencou e a luminária ameaça cair. A falta de manutenção também fez com que rachaduras aparecessem. Além disso, a pintura começou a descascar.

Desde que a obra foi inaugurada, em novembro de 2010, o único movimento é o de dois funcionários da Agetop. Eles trabalham no aeroporto para evitar a ação de vândalos.

O terminal tem toda a estrutura necessária para  funcionar. Há área para recepção, alimentação e para a parte operacional. Inclusive, a pista foi projetada para receber voos noturnos, com iluminação adequada.

O Aeroporto Municipal José de Assis, construído há mais de 30 anos, está interditado para pousos e decolagens. Segundo um piloto da região, que não quis se identificar, o aeródromo está fechado devido ao risco de operações aéreas, pois foram construídas antenas e um armazém no final da pista. “A situação está difícil, pois precisamos de um aeroporto. Ao fazer o plano de voo, geralmente colocamos como destino o aeroporto de Rio Verde, mas pousamos em Santa Helena", revela.

De acordo com a prefeitura de Santa Helena, a área de 220 mil metros quadrados do antigo terminal foi doada para a construção de casas populares.


Fausto Costa

›› CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A POSTAGEM COMPLETA ››

Anel Viário em Jataí

janeiro 05, 2013 0

O secretário estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Leonardo Vilela, entrega nesta segunda-feira (7), a licença ambiental para a construção do anel viário de Jataí. A entrega será às 15h, no gabinete do secretário, no 1º andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira, na Praça Cívica.
›› CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A POSTAGEM COMPLETA ››