Preconceitofobia!

abril 10, 2018
Por | André Luís, Tiranossaurus Rex
Quem tira conclusões sem conhecer é um doente mental!
Essas políticas governamentais de promoção de uma supostaeliminação da discriminação” são totalmente tendenciosas, pois só falam do combate à discriminação contra mulheres, gays e negros. E os outros tipos de discriminação? Ninguém toca no assunto, nem nos meios “acadêmicos” nem nos órgãos de promoção de “igualdade”.

Esses organismos de “combate à discriminação” usam argumentos oportunistas e muitas vezes argumentos inválidos e até mesmo hipócritas, por exemplo: as feministas se dizem minorias, mas é amplamente sabido que as mulheres são a maioria da população justamente porque os homens morrem mais do que as mulheres, muitas vezes de forma violenta, por acidentes, trocas de tiros e outras mortes violentas, sem contar que praticamente não existem programas sociais empreendidos pelas entidades governamentais voltados aos cuidados de saúde masculinos e à promoção de políticas governamentais exclusivamente voltadas para os homens. Naturalmente com toda essa desatenção e descaso com o público masculino e com o próprio incentivo das famílias de dar mais condições e mais atenção para as filhas do que para os filhos, isso cria uma sociedade onde morrem mais homens do que mulheres, isso faz com que as mulheres sejam a maioria da população, com mais estudo e, portanto, o argumento feminista de que as mulheres são minoria é um argumento hipócrita e manipulador.

Da mesma forma os negros tentam usar essa mesma lógica hipócrita, se dizendo “minorias”, sendo que quase 60% da população brasileira é composta de negros e pardos, então eles são a maioria da população e não devem ficar usando argumentos de “minorias”.

Precisa existir um fórum realmente legítimo, que não seja tendencioso atendendo apenas a três formas de preconceito (negros, gays e mulheres), ou seja, precisa existir um fórum que abranja e também seja discutido o combate à discriminação contra:

Homens (que também sofrem preconceito em suas próprias famílias e depois de adultos sofrem esse mesmo preconceito por parte da sociedade, desde o nascimento sendo discriminados e tratados de forma diferente apenas por serem homens, recebendo menos atenção do que suas irmãs, que têm mais atenção só por terem nascido mulheres e depois de adultos percebem que esse tratamento diferenciado é o mesmo no mundo dos adultos);

Mulheres (que também são vítimas de preconceito só por serem mulheres);

Brancos (que sofrem preconceito por serem vistos como os vilões invasores europeus que chegaram destruindo tudo aqui nas Américas, apesar de isso ser um ato abominável cometido há gerações atrás e as gerações atuais ainda são julgadas pelos atos de europeus imprestáveis do passado que genocidaram mais de 70 milhões de índios e escravizaram outros milhões de africanos de vários reinos da África ancestral);

Negros (que sofrem preconceito por terem tido ancestrais escravos no passado);

Indígenas (que, pelos atos de alguns índios inescrupulosos, são julgados como se todos os índios fossem iguais a alguns poucos);

Judeus (que sofrem preconceito porque na cabeça dos não-judeus que não conhecem o judaísmo, acham que foram os judeus que mataram Jesus Cristo, sendo que uma simples leitura superficial da bíblia mostra que quem chicoteou, torturou e matou Jesus foram soldados romanos sob as ordens do governador Pôncio Pilatos, procônsul nomeado diretamente pelo Imperador de Roma, portanto, quem matou jesus foi o Império Romano, e não os judeus);

Muçulmanos (que sofrem preconceito por culpa de alguns irresponsáveis fanáticos que colocam bombas no próprio corpo e se explodem em meio à multidões matando até mesmo outros muçulmanos que não são tão fanáticos quanto eles):

Empresários (sim, no Brasil uma pessoa sofre preconceito e é taxado como vilão e explorador de indefesos e inocentes se ele for um empresário);

Religiosos (que sofrem preconceito por carregarem o esteriótipo de não terem muita instrução secular / científica e muita superstição);

Nordestinos (que sofrem preconceito apenas por terem nascido em algum estado do nordeste brasileiro);

Gordos (que são discriminados e sofrem bulying até mesmo em shows de “stand-up comedy” e em programas de televisão);

Favelados (que sofrem preconceito apenas por morarem em favelas);

Nerds (que sofrem preconceito por serem taxados como hackers);

Patricinhas (que sofrem preconceito por serem acusadas de “metidas”);

Homofobia (gays que sofrem preconceito por parte de héteros fanáticos apenas por desejarem pessoas do mesmo sexo);

Heterofobia (héteros que sofrem preconceito por parte de gays fanáticos que os acusam de opressores);

Transfobia (pessoas que nasceram com a genética invertida e são acusadas por falta de informação geral);

O espaço não seria suficiente para falar sobre todos os grupos que sofrem preconceito, como por exemplo:

Magros; Altos; Baixos; Anões; Punks; Roqueiros; Funkeiros; Hip Hop e Mcs; Bêbados; Mendigos; Fumantes; Doentes; Aleijados; Deficientes mentais; Estrangeiros; Refugiados; Estigmatizados e estereotipados em geral...

Por enquanto essa pseudo-luta contra o preconceito é tendenciosa e se concentra em apenas 3 temas (mulheres, negros e gays), mas como demonstrado acima esses 3 temas não são os únicos que devem ser abordados.

Um debate sobre preconceito só pode ser legítimo se lutar contra todos os tipos de preconceito e não apenas contra 3 formas de preconceito!

Foram elencados nesse artigo 34 grupos que sofrem preconceito e discriminação. É claro que um estudo mais profundo sobre o tema pode apresentar bem mais de 34 grupos que sofrem preconceito, então por qual motivo o governo quer concentrar toda a luta contra o preconceito em apenas 3 grupos (mulheres, gays e negros)?

Esse debate sobre preconceito que abrange apenas 3 categorias é tendencioso e serve apenas para uma agenda mundial claramente manipuladora financiada pelos Illuminati para dividir as pessoas em grupos e promover o sentimento de competição entre as pessoas de grupos rivais.

A minha opinião é a seguinte: apenas 2 grupos de pessoas devem ser discriminados:


1) os fora da Lei, ladrões, assassinos, estupradores e pessoas com um nível de egoísmo doentio que prejudicam e destroem a vida alheia. Esses sim merecem ser tratados com preconceito máximo e mantidos bem longe das pessoas de bem, pois eles não sabem viver em sociedade, eles destroem a vida das pessoas de bem.

2) O outro grupo que deve ser tratado com discriminação é qualquer pessoa que se rotule, que se intitule como fazendo parte de algum grupo e insinuando que seu grupo seja melhor e mais merecedor de direitos do que os demais grupos. Essa pessoa não está lutando por igualdade, mas está lutando apenas por mais privilégios e menos deveres.

Quem quer falar em direitos tem que começar primeiro falando sobre seus deveres. Só pode ter direitos quem cumpre todos os seus deveres!

Direitos são só para quem cumpre seus deveres!

Preconceitofobia é uma palavra criada por mim mesmo que significa preconceito contra quem tem algum tipo de preconceito, fobia ao preconceito = preconceitofobia.

>ANTERIOR DE ANDRÉ LUÍS<

André Luís, pseudônimo: Tiranossaurus Rex – Embaixador Mundial da Paz, membro da organização imperial mundial: Royal Society Group / publicitário / inventor / filósofo / músico / integrante da Royal Academy International / registrado na sucursal da Organização das Nações Unidas (ONU) em Bonn, na Alemanha, sob o número de registro 849.381 / membro da Royal Society of Science, Art and Design / membro honorário das seguintes ordens cavaleirescas mundiais: Ordem dos Cavaleiros Templários; Cavaleiros Sarmathianos da Ásia Central; Cavaleiros de Malta; Cavaleiros Teutônicos da Alemanha; Cavaleiros Hospitalários de Jerusalém / também membro e integrante de diversas outras ordens imperiais, cavaleirescas e diplomáticas mundiais / membro da Federação Brasileira dos Acadêmicos das Ciências, Letras e Artes: advertisingpropaganda@gmail.com
__________


__________


TWITTER             InstagramSiga nosso Instagram

Curta a FanPage
Próxima Postagem
« Próxima
Postagem Anterior
Anterior »

Comente com o Facebook: